Denise Stutz e Inez Viana estreiam peça online inspirada em carta real escrita por mulher para romper com amante

Rio Encena

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Inez Viana (E) e Denise Stutz gravaram a peça na plateia de um teatro Foto: Clara Trevia/Divulgação

Em 1999, uma mulher de 74 anos foi ao teatro assistir ao espetáculo “Partido”, uma adaptação do Grupo Galpão para o romance “O visconde partido ao meio”, do italiano Italo Calvino. E durante a apresentação, a senhorinha teve uma ideia: escrever uma carta para o seu amante, um homem 30 anos mais jovem, rompendo o relacionamento com ele. A correspondência nunca chegou ao destinatário, mas acabou virando peça de teatro! “Partida”, com Inez Viana e Denise Stutz, estreia no YouTube nesta sexta-feira (04), às 19h, no Canal Sesc RJ.

Depois de ficar guardada por 20 anos, a carta foi encontrada pela filha da mulher, ao lado de outras lembranças suas, e, assim, chegou ao conhecimento de Denise Stutz, que não demorou muito para idealizar o espetáculo e convidar a companheira de cena para construir o texto, que traz um quê de metalinguagem. Isto porque, em cena, elas interpretam duas atrizes que se encontram na plateia de um teatro (“Partida” foi filmada no Espaço Cultural Sérgio Porto) para montar um espetáculo inspirado no tal bilhete.

Assim, a dupla desenvolve o processo criativo e passa por questões como relacionamento, angústias e desejos e traçam alguns paralelos, como, por exemplo, a vida da mulher e temas da obra de Calvino, e a realidade e a dramaturgia, que se misturam entre as vidas da autora da carta com o amante e a do personagem do Visconde.

— Apesar de ser uma carta de amor, também fala de morte e incompletude. É muito poética — observa a atriz e autora Inez, que, além da carta e do personagem criado por Calvino (um sujeito dividido ao meio por uma bala de canhão), teve como inspiração também referências culturais do final dos anos 1990.

Já a idealizadora Denise Stutz chama atenção para os questionamentos levantados pelo espetáculo, que tem direção de Debora Lamm.

— A peça levanta uma série de questões sobre essa mulher. Por que ela nunca enviou a carta? Em qual momento do espetáculo do Galpão ela decide terminar o seu relacionamento? — complementa.

PUBLICIDADE
Scroll Up