Busca
Menu
Busca
PUBLICIDADE

Eram os poetas astronautas?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
34 anos, doutora em Literaturas Africanas, pós-doutora em Filosofia Africana, pesquisadora, professora, multiartista, crítica teatral e literária, mãe e youtuber.
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Tem sido muito interessante observar as movimentações do teatro dentro do desafio do mundo online. Há um pouco mais de um ano, começaram as primeiras montagens utilizando as plataformas de transmissão virtuais e, de lá para cá, ocorreram muitas mudanças e melhorias, com uma maior experiência no uso dessas ferramentas e hibridismo com o audiovisual. Há de tudo: obras que mergulham tanto no cinematográfico que se tornam filmes; outras que mantêm a linha de teatro filmado; e existem, ainda, aquelas que optam por novas vias e mesclam a interatividade na experiência da apresentação. Um exemplo deste último caso é a peça “Menu Teatral, um cardápio da Cia dos Bondrés: Eram os poetas astronautas?”, cuja história acompanha dois rebeldes, Bartolomeu (Julia Morales/Tomaz Nogueira da Gama) e Professor (Ariane Hime/Felipe Pedrini), que saem pelo universo acompanhados do Robô Meg (Nina Rodrigues) à procura da Poeta-astronauta (Ariane Hime).

A obra é metalinguística, tendo uma camada que discute o teatro e as possibilidades político-poéticas da arte, ao ponto de se tratar de uma peça em formato de série com episódios conduzidos por um apresentador (Felipe Pedrini/Tomaz Nogueira da Gama) que interage em tempo real com o público através do chat. Me lembrou séries dos anos 1950 e 1960, como “Além da Imaginação”, que contavam com um host, um apresentador introduzindo os episódios. No sentido estético, há referências a “Star Trek”, “Star Wars”, “De volta para o futuro”, nave da Xuxa e filmes dos anos 60 e 80, que tinham o espaço e a estética futurista como características.

O espetáculo fica em cartaz até o próximo dia 18 Foto: Reprodução/Instagram

O título nos dá a dimensão das abordagens da história: é um cardápio, já que os espectadores escolhem qual o próximo episódio irá assistir; é teatro de máscaras balinesas, especialidade da Cia dos Bondrés, cuja condução filosófica são os bondrés, populares palhaços balineses que buscam fazer as pessoas sorrirem; e é também uma reflexão filosófica pela procura da Poeta-astronauta como metáfora do sentido para a vida.

Diante de tanta distopia na ficção, mas sobretudo na realidade de um Brasil pandêmico e desgovernado, viver perdeu sua poesia, e o resgate da Poeta-astronauta, portanto, age como a possibilidade de regeneração e esperança num futuro (ou seria presente?) onde não há espaço para o afeto e o planeta Terra está destruído.

A direção de Fabianna de Mello e Souza optou pelo hibridismo do cine-teatro, com closes, uso de drones panorâmicos e cenas externas misturados ao palco, com os artifícios e construções que a linguagem cênica e performática têm.

Gosto da escolha de trazer o espaço da nave para a cena sem perder as dimensões do palco italiano, entretanto, o início da história é bagunçado, e eu tive dificuldades de pegar o fio da meada. Havia um excesso de informações que me distraiu do texto. Na ida para o segundo episódio, esta questão tinha sido resolvida, e achei legal o fato de poder assistir ao mesmo espetáculo com novos episódios em outras apresentações.

O espetáculo “Menu Teatral, um cardápio da Cia dos Bondrés: Eram os Poetas Astronautas?” é insólito e uma boa pedida para quem gosta de aventuras intergalácticas. A temporada acontece no canal no YouTube Sesc RJ, até o dia 18 de julho, de sexta a domingo, às 20h.

Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para aza.njeri@rioencena.com.


EM CARTAZ: Fique por dentro da programação teatral do Rio

PUBLICIDADE

Leia Também

PUBLICIDADE
Assine nossa newsletter e receba todo o nosso conteúdo em seu e-mail.