Busca
Menu
Busca
PUBLICIDADE

Midrash: centro cultural deixa retorno das atividades presenciais para 2022; saiba mais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Tempo estimado de leitura: 2 minutos
Até o início da pandemia, o Midrash funcionava no número 184 da Rua General Venâncio Flores, no Loblon; sede atual fica na Barra da Tijuca Foto: Divulgação

RIO – Por conta do Dia do Servidor e do feriado do Dia dos Finados, a vacinação no Rio de Janeiro vai sofrer uma paralisação na segunda (1º) e na terça (02), mas nada que afete o desempenho da imunização na cidade, que já chega a 66,5% da população total com duas doses ou dose única, de acordo com o Painel Covid-19 da prefeitura. Com isto, as flexibilizações vão avançando em diversos setores, como, por exemplo, a cultura. Quanto aos teatros, cada vez mais equipamentos reabrem as portas, tendo, inclusive, a permissão para liberar 100% da capacidade ao público. Em contrapartida, os gestores de algumas salas preferem adotar a cautela.

Um exemplo é o Centro Cultural Midrash, que tem a estimativa de retomar seus eventos presenciais apenas em 2022, possivelmente no mês de março. O RIO ENCENA estou em contato com Lilian Maia, responsável pelos setores de Projetos e Financeiro, que mencionou a média de idade do público que costuma frequentar o espaço como motivo para a prorrogação das atividades estritamente remotas.

— A maior parte do nosso público está acima dos 60 anos. Então, resolvemos esperar um pouco mais — explicou a funcionária do centro cultural, que pertence à Congregação Judaica do Brasil.

Desde o início da pandemia, o Midrash tem realizado diversas atividades online, principalmente em seu canal no YouTube. Entre elas, edições do seu tradicional festival de teatro, exposições, cursos e exibição de filmes.

Toda esta programação online, a propósito, vem sendo pensada pelos colaboradores que têm se dividido entre o esquema home office e a nova sede do Midrash. O centro cultural, que funcionava num imóvel alugado na Rua General Venâncio Flores, no Leblon, foi transferido, após o início da pandemia, para uma sede própria, na Rua Corrêa de Araújo, na Barra da Tijuca. Mas ainda não há definição quanto ao endereço para depois que forem retomadas as atividades presenciais.

Indefinições

Além do Midrash, nossa reportagem entrou em contato também com outros teatros que ainda não estão recebendo público. No entanto, até o fechamento desta matéria, não havíamos recebido um retorno. São eles, Oi Futuro (Flamengo), Fashion Mall (São Conrado) e Poeira (Botafogo).

Entre os teatros sob responsabilidade da prefeitura, até o momento, só o do Espaço Sergio Porto já reabriu para espetáculos com público. Os demais seguem sem previsão, segundo a gestão atual, devido ao péssimo estado de conservação em que foram entregues pelo ex-prefeito Marcelo Crivella.

Já o Governo estadual reabriu um número maior de teatros até agora – nem que seja para uma única apresentação teatral. São eles, Imperator (Méier), Theatro Municipal (Centro), Laura Alvim (Ipanema), João Caetano (Centro), Glaucio Gill (Copacabana), Arthur Azevedo (Campo Grande).


EM CARTAZ: Confira a programação teatral do Rio

PUBLICIDADE

Leia Também

PUBLICIDADE
Assine nossa newsletter e receba todo o nosso conteúdo em seu e-mail.