‘Não enxergo possibilidade de ter teatro este ano’, afirma Luis Lobianco sobre reabertura das salas no Rio durante a pandemia

Luiz Maurício Monteiro

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Com início previsto para 1º de agosto, a fase 5 do plano de reabertura gradual da cidade do Rio de Janeiro, traçado pela prefeitura, fala em permissão para “atividades culturais em espaços abertos e fechados”. Ou seja, espetáculos de teatro estariam liberados. No entanto, a etapa anterior do mesmo cronograma previa o mesmo, mas as salas permanecem fechadas, o que só aumenta a incerteza a respeito de quando haverá programação teatral novamente por aqui. Há quem diga que só ano que vem. É o caso de Luis Lobianco.

Em entrevista para o quadro “Enquanto Isso, na Quarentena”, da RIO ENCENA TV, o ator deu sua opinião e afirmou que se o prefeito Marcelo Crivella der a liberação para que teatros voltem a funcionar agora, estará sendo precipitado. Lobianco ainda foi além: acredita que sejam inviáveis apresentações de peças ainda em 2020.

— Não consigo enxergar possibilidade de ter teatro este ano, que não seja de forma alternativa, como estamos fazendo. Mas teatro presencial não será possível. Na Europa, o teatro está funcionando, as administrações dos teatros estão retirando cadeiras… Mas isso só funciona onde tem apoio – critica Lobianco, referindo-se como “forma alternativa” às peças que são feitas de forma virtual.

O ator ainda relembrou a polêmica que envolveu seu bem-sucedido solo “Gisberta”, alvo de protestos de pessoas da comunidade trans, e opinou sobre o que o ser humano pode aprender com a pandemia de Covid-19. Assista à conversa completa no vídeo abaixo:

PUBLICIDADE
Scroll Up