Busca
Menu
Busca
PUBLICIDADE

Podcast ‘Revenguê’, uma obra sonora de ficção científica afrofuturista, estreia nas plataformas Spotify e YouTube

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Mauricio Lima*
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O podcast “Revenguê” estreia no Spotfy e no YouTube nesta terça (20) Fotos: Divulgação

Experimento sonoro a ser disponibilizado em formato de podcast, “Khosu Iroko Loco” com apoio do Governo Federal, do Governo do Estado do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc, traz episódios, sonoros e uma videoarte em LIBRAS, a partir do texto inédito “Revenguê” do artista visual Yhuri Cruz. O acesso gratuito à obra virtual será disponibilizado a partir do dia 20/04 em redes sociais e plataformas de streaming como o Spotify e o Canal do YouTube.

“Khonsu Iroko Loco” são nomes de três divindades africanas. Khonsu significa viajante e é o Deus Egípcio relacionado ao tempo, que no candomblé Ketu, aparece na figura do Orixá Iroko e no candomblé Jeje, do Vodum Loco. A viagem no tempo, na noite escura, à luz da lua pelos corpos e vozes negras que atravessam todas as dimensões, revela um passado de culturas múltiplas, uma potência de futuro e um presente pulsante de desejos.

A equipe de criação de “Khonsu Iroko Loco” é composta por artistas que desenvolvem pesquisas sólidas e inventivas em cada uma de suas áreas de atuação. Todos os artistas são negros e oriundos do Estado do Rio de Janeiro, de cidades como Petrópolis, Rio de Janeiro e Niterói, que com suas criações artísticas contribuem para a construção identitária da comunidade negra fluminense. E, com esse projeto, além de combater o racismo estigmatizante, a equipe busca contribuir para a reconstrução epistemológica do povo preto em diáspora no Brasil, fomentar a criação de novos textos de dramaturgia preta fluminense, democratizar o acesso a arte em plataformas gratuitas (Spotify e Youtube) para pessoas de todo o Brasil e do mundo e diminuir as barreiras de acessibilidade criando um produto artístico que dialoga com pessoas cegas e pessoas surdas.

Em formato de podcast, o diretor e performer Mauricio Lima – criador do projeto Museu dos Meninos premiado pelo Prince Claus Fund – que conta com a interlocução da pesquisadora e professora doutora em poética, Maria Ignez de Souza Calfa, propõe uma série radiofônica afrofuturista de ficção científica que parte do texto inédito “Revenguê” do artista visual Yhuri Cruz. Dividida em 3 episódios com duração de até 15 minutos e sem estímulos visuais, a experiência de rádio-teatro proporciona ao ouvinte a liberdade para co-criar novas imagens a partir dos corpos e vozes negras dos performers e criadores Tainah Longras e Rômulo Galvão.

Na obra, Revenguê é o planeta do Sistema Escura para onde Musa Pã Vassauli, uma habitante de Plenér, parte em uma viagem espacial para reconstituir seu corpo e consequentemente sua voz. Nesse contexto, seu corpo é a tecnologia de transporte pelo tempo e espaço pois se faz no mundo como única ponte possível entre o presente, passado e futuro. Privar-se das imagens como forma de escurecer o futuro é uma das diretrizes estéticas do projeto.

Acessibilidade e democratização do acesso
Como o projeto não conta com nenhuma informação visual, ele já nasce com a proposta de ser acessível às pessoas cegas. E, para possibilitar e expandir o alcance da produção cultural e fortalecer o combater ao Capacitismo, “Khonsu Iroko Loco” terá a transposição das obras sonoras para uma versão em vídeo com interpretação em LIBRAS e legendas em português, com a finalidade de construir uma experiência visual para o público surdo, e assim, todos possam também ter uma experiência sensorial com o trabalho.

*Conteúdo de total responsabilidade do anunciante

PUBLICIDADE

Leia Também

PUBLICIDADE
Assine nossa newsletter e receba todo o nosso conteúdo em seu e-mail.