Silvero Pereira estreia novo projeto online, acredita que peças virtuais podem seguir após a pandemia, mas crava: ‘Nada substitui o teatro’

Luiz Maurício Monteiro

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Se a Internet é o palco alternativo para artistas durante a pandemia, Silvero Pereira é exemplo de alguém que entendeu a nova realidade. Depois de estrear em julho, no Instagram, “Metrópole Online”, versão virtual de uma peça que havia apresentado em 2012, o cearense de Mombaça lança nessa segunda-feira (03), na mesma plataforma, “Bixa Viado Frango”, espetáculo feito exclusivamente para as redes, mas que ele pretende levar para os teatros quando o novo coronavírus der uma trégua. E com a experiência de quem está sabendo se virar neste momento excepcional das artes cênicas, o ator afirmou à RIO ENCENA TV (inscreva-se aqui), no quadro “Enquanto Isso, na Quarentena”, que acredita num futuro para o fazer teatral virtual, mas foi taxativo:

— Não vai substituir o teatro, é impossível. Tantas coisas na história que se pensou que substituiria, e o teatro continua firme e forte. É uma possibilidade a ser seguida, mas com outra linguagem, outro processo. Não o processo que compete com esse teatro que não só nós artistas, mas o público estamos tão interessados que volte logo, e a gente tenha esse contato visceral, real, olho no olho — ressalta Silvero, fazendo uma ponderação quanto ao conteúdo virtual: — Depois de tanto tempo em casa, tanto tempo tendo acesso a estas plataformas, algumas coisas estão ficando cansativas, repetitivas, iguais. Então, a gente tem que começar a descobrir como movimentar essas plataformas de maneira diferente.

Com uma carreira muito ligada a espetáculos LGBT, Silvero falou no bate-papo ainda que tem buscado trabalhos alternativos à temática e se disse otimista quanto ao retorno dos teatros no pós-pandemia – independentemente de quando isso venha a acontecer. Assista à entrevista na íntegra no vídeo abaixo:

PUBLICIDADE
Scroll Up