Vacina: calma, que mesmo avançando, o caminho ainda é muito longo para ser percorrido…

Luciana Kezen

Luciana Kezen

35 anos, bacharel em Artes Cênicas pela UNIRIO, licenciada em Letras pela Estácio de Sá, atriz, escritora, tradutora e ávida leitora nas horas vagas.

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Não adianta tentar me convencer de que “a vacina tá chegando”, de que “temos vacina”, de que “agora as coisas vão começar a mudar”, que eu não acredito em nada disso. Essa pouca quantidade de vacinas que estão disponíveis no Brasil no momento não vão dar muita vazão.

Dito isto, eu gostaria muito de agradecer aos profissionais que se empenharam nas pesquisas. É realmente incrível o trabalho que foi feito em tão pouco tempo. Muito obrigada.

Já nossos líderes de Estado, eu não consigo parabenizar com tanto entusiasmo. Muito bonitas as reportagens das pessoas tomando a primeira dose da vacina. Eu diria até, emocionante. Uma pena que tanto dinheiro foi gasto com o marketing da vacina e pouco com a produção.

Definitivamente, não podemos esquecer que começou a vacinação da primeira dose, né? E com má distribuição das vacinas (e falo de má distribuição, simplesmente, porque no Brasil tudo é muito mal distribuído) talvez estas pessoas não cheguem a tomar a segunda dose. E sem tomar a segunda dose, ninguém vai estar imunizado em estado algum.

Uma coisa é certa: não é porque temos vacina aprovada que estamos todos salvos da pandemia. Claro que vou me vacinar, já deixei isso bem claro aqui algumas semanas atrás. Só que não vai adiantar nada eu me vacinar sozinha ou com mais alguns gatos pingados apenas. É muito importante manter as noções básicas que adquirimos por conta deste vírus, por muito mais tempo.

Não é só porque você já pegou Covid que está livre de pegar de novo, isso é algo muito importante de se lembrar. E, claro, não podemos esquecer que mesmo vacinados ainda podemos carregar o vírus e disseminá-lo. Sim! Isto parece uma assombração nas nossas vidas. E é!

Muito importante também ter em mente que com as vacinações começando aqui no Brasil não quer dizer que estaremos todos vacinados em algumas semanas. De forma alguma. Inclusive, vale sempre a pena lembrar que nem todos vamos poder tomar vacina. Sim! Afinal, os estudos foram feitos com maiores de 18 anos e não incluem mulheres grávidas ou amamentando.

Além do mais, temos uma certa fila de prioridade a seguir para as vacinações. Eu sei que com os meus 35 anos ainda vai demorar um pouco para que eu consiga ser vacinada. E mesmo depois de inoculada com todas as doses que tenho direito, não tem como sair por aí incitando aglomerações. Usar máscara e manter o distanciamento social é algo que vai se manter necessário por um bom tempo.

Estou sentindo falta de assistir a uma peça ao vivo… Nossa! Nem consigo descrever em palavras como eu estou sentindo falta de entrar em um teatro. Também estou sentindo falta de ir a museus, shows, eventos onde eu consigo
facilmente me perder em meio de algumas centenas de pessoas. Nunca pensei que fosse sentir falta de sentar em um restaurante ou café para escrever por algumas horas, mas estou. Olha, do jeito que estou, tenho que dizer que sinto falta até de serviço ruim em ambientes públicos.

Mas para as coisas começarem a mudar efetivamente no Brasil, mais de 70% da população precisa ser vacinada. Algo que ainda está um tanto longe de acontecer. Mesmo assim, eu me mantenho positiva.

Um aceno de mão efusivo e até a próxima semana.
Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para luciana.kezen@rioencena.com.

PUBLICIDADE
Scroll Up