Busca
Menu
Busca
PUBLICIDADE

Midrash Centro Cultural reúne mais de 20 produções em sétima edição de festival; atrações serão todas online e gratuitas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Tempo estimado de leitura: 2 minutos
Em sentido horário, “Galileu e Eu” (acima esq.),”Eletrovento”, “Como os Ciganos Fazem as Malas” e “27s”: algumas das atrações da sétima edição do festival Fotos: Divulgação

RIO – O Midrash Centro Cultural estreia no domingo (18) a sétima edição do seu festival de teatro. Na programação, estão mais de 20 produções de diversas regiões do Brasil – e até do exterior. As atrações serão todas gratuitas (com possibilidade de contribuição voluntária, que será revertida para os artistas) e apresentadas em formato online, apesar do avanço da vacina e da queda nos números de internações e óbitos em decorrência de Covid-19.

SERVIÇO: Confira toda a programação da sétima edição do Festival Midrash de Teatro

— Durante todo esse tempo em que estamos conscientemente afastados das ações presenciais, inventivas experiências têm acontecido virtualmente, apontando plurais caminhos para a criação. As linguagens das artes vivas, presenciais por definição, criam maneiras alternativas para seguir existindo, sem perder o vínculo com as pessoas do público. O teatro, pensado mais amplamente, em sua dinâmica de frequentes e históricas transformações, continua vivo, resistente e propositor de sentidos de vida — filosofa Márcio Abreu, curador desta edição.

A programação deste ano, que será transmitida pela plataforma Sympla Streaming, promete ser eclética. Entre as atrações, estão performances audiovisuais, peças-filme, ações transmitidas ao vivo e peças sonoras. Para participar, foram convidados artistas de estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais (exemplo do renomado Grupo Galpão), Paraná, Ceará e Bahia, além da trupe mexicana Lagartijas Tiradas al sol.

— A programação conta com obras de várias regiões do país, além de um convidado internacional, apresentando diversidade de linguagens, lugares sociais e modos de existência. Festejamos a arte e sua potência de transformação. Em respeito à memória de tantos mortos nessa pandemia, festejamos o fato de estarmos vivos e conscientes da importância de nossa ação no mundo. Agradeço imensamente ao querido Nilton Bonder pelo convite e por levar adiante esse incrível projeto de um centro cultural e de um festival — complementa Márcio Abreu, mencionando o Rabino Nilton Bonder, idealizador do evento e diretor do centro cultural, que pertence à Congregação Judaica do Brasil.


YOUTUBE: Inscreva-se no nosso canal para conferir cenas de espetáculos e entrevistas exclusivas

PUBLICIDADE

Leia Também

PUBLICIDADE
Assine nossa newsletter e receba todo o nosso conteúdo em seu e-mail.