Prefeitura do Rio decide manter peças suspensas apesar de plano de reabertura prever atividades em locais abertos

Do Rio Encena - Atualizado às 20h13

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Plateias de teatros da capital fluminense seguem vazias por enquanto Foto: Divulgação

Em entrevista coletiva no fim da manhã desta quinta-feira (09), o prefeito Marcelo Crivella comunicou que peças de teatro na capital fluminense seguem suspensas. O anúncio, feito após uma reunião com o comitê científico que auxilia a prefeitura durante a pandemia de Covid-19, vai de encontro ao plano de reabertura econômico da cidade lançado pelo próprio Município no início do mês passado. Segundo o planejamento, a esta altura, já estariam liberadas atividades culturais em espaços abertos – o que é possível em alguns equipamentos.

Há exatamente uma semana, o RIO ENCENA entrou em contato com a Secretaria Municipal de Cultura (SMC) para buscar mais informações sobre a Fase 3 do plano, que parecia vaga ao não dar mais detalhes sobre como poderiam ocorrer tais atividades a céu aberto. O órgão, porém, retornou de maneira contraditória, afirmando que “conforme consta na fase 3, todas as atividades da Cultura neste momento estão acontecendo apenas em forma de drive in”. Entretanto, atividades “drive in”, ou seja, com o público dentro do carro, já estão permitidas desde a primeira etapa. Ou seja, a terceira etapa, de acordo com a resposta da SMC, não havia trazido nenhum avanço.

Na ocasião, falamos também com a produtora Isabel Gomide, integrante do Mater (Movimento de Artistas de Teatro do Rio) e com experiência em administração de espaços culturais como Espaço Cultural Sérgio Porto, Teatro Glaucio Gill, Teatro Sesc Ginástico e Casa de Cultura da Maré. Ela afirmou que, independentemente do local, atividades culturais neste momento da pandemia não seriam uma boa opção.

— Como o público vai entrar num espaço físico, mesmo com 1/3 da capacidade, com entrada e saída no mesmo horário para todo mundo, fila na porta…? Mesmo que tenhamos o esforço de fazer uma peça, quem vai assistir com alguém respirando ao lado? Quem vai confiar que espaços culturais estejam esterilizados a ponto de não haver vírus ali? — questionou Isabel, opinando ainda que retomar a cultura agora seria uma iniciativa do poder público para não auxiliar trabalhadores da cultura que sofrem com a crise gerada pela pandemia: –Isso é uma desculpa para o governo não se responsabilizar pela sobrevivência dos artistas.

Enfim, até segunda ordem, portanto, espetáculos no Rio – em espaços abertos ou fechados – permanecem proibidos. De acordo com o plano de reabertura do município, na Fase 4, que está prevista para começar no próximo dia 17, já estão liberadas atividades culturais em espaços abertos e fechados, com capacidade simultânea máxima de 1/3 e área de 4m² por pessoa. A ver!

ERRATA: ao contrário do que informamos inicialmente, os teatros seguirem fechados não é novidade. De acordo com o cronograma do Município, as salas deveriam mesmo estar fechadas neste momento. A notícia, na verdade, é que embora a Fase 3 do planejamento de reabertura da prefeitura, que vigora atualmente, fale em permissão para atividades culturais em espaços abertos, o prefeito anunciou nesta quinta que a proibição está mantida.

PUBLICIDADE
Scroll Up