As pequenas coisas

Luciana Kezen

Luciana Kezen

35 anos, bacharel em Artes Cênicas pela UNIRIO, licenciada em Letras pela Estácio de Sá, atriz, escritora, tradutora e ávida leitora nas horas vagas.

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Sei que no momento não é um privilégio para todos a realidade de ficar em casa. Muitos profissionais estão se colocando na linha de frente, para que essa pandemia cause o mínimo de estrago possível. Dentro de um hospital, além dos médicos e enfermeiros, temos também secretários, funcionários de limpeza, entregadores, motoristas… E assim por diante.

Farmácias têm que abrir. E não só contamos com o farmacêutico, como com funcionários da limpeza, caixas, entregadores. O mercado vai abrir para adquirimos alimentos. E aí vai. Como demostrar admiração por essas pessoas? Ficando em casa.

Para algumas pessoas ficar em casa é um desespero. É natural querer sair, explorar o mundo, conhecer pessoas, trocar abraços. Ficar em casa é um castigo. Não faz sentido. Outras pessoas ficam irritadas por TEREM que ficar em casa. Por estarem sendo obrigadas a ficar em casa. Rebeldes em todos os lugares. Muitas pessoas não acreditam que estamos passando por um problema sério. Mundial! Acham que atitudes precipitadas estão sendo tomadas e que tudo está sendo feito do jeito errado. Perdendo tempo com essas bobeiras.

Alguns dias atrás, uma grande amiga minha, que está em casa com as duas filhas e o marido, escreveu sobre descascar alho. Ela escreve “Escolhi com cuidado. Descasquei a primeira ponta, depois a lateral… Senti seu aroma enquanto um vento agradável passava por mim”. Os detalhes! Pela primeira vez desde a adolescência,
me vejo voltando a apreciar os detalhes. Como são lindos!

As pequenas coisas Foto: Simone Franzen

Os detalhes que percebemos à nossa volta dizem muito sobre nós. Eu não sei o que dizem, mas devem dizer alguma coisa. Porque nesta quarentena forçada no começo de 2020, um ano que estava promissor, cheio de planos, cheio de expectativas na minha vida pessoal, teve que mudar. E eu não sei se vai ser para melhor ou para pior. Não tenho como saber. Mas eu posso lembrar dos detalhes.

Como no outro dia em que entrei na cozinha e logo senti um cheiro que não gostei. Nossa! Eu não sabia o que era. Fui sentindo a cozinha e percebi abóbora cortada na pia. Cheguei mais perto dos pedaços laranjas. E inalei profundo. Que horror! Eu nunca tinha percebido antes que não gosto do cheiro de abóbora. Eu já sabia que não gostava do gosto, mas o cheiro, me pegou de surpresa. Um detalhe!

Colocar uma velha roupa dentro de casa. Abrir um livro já muitas vezes lido. Olhar fotografias e lembrar dos detalhes do dia. São as pequenas coisas que ficam no final. E nesta quarentena, como minha amiga, eu me percebi me apegando às pequenas coisas. Que tipo de pessoa você está sendo na quarentena? Espero de alguma que você se orgulhe.

Um aceno de mão efusivo e até a próxima semana!
Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para luciana.kezen@rioencena.com.

PUBLICIDADE
Scroll Up