Sexta-feira 13, eleições, pandemia e, claro, teatro! Vamos falar sobre assuntos diversos…

Luciana Kezen

Luciana Kezen

35 anos, bacharel em Artes Cênicas pela UNIRIO, licenciada em Letras pela Estácio de Sá, atriz, escritora, tradutora e ávida leitora nas horas vagas.

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Sempre que se apresenta uma oportunidade, gosto de falar do talento do escritor Mário Bortolotto e da queda que tenho por ele, juro que não me canso. E se você não conhece o trabalho desse cara, realmente não sabe o que está perdendo. Mas essa semana não destaco o talento do Mário apenas. Em suas redes sociais (eu tenho o prazer de segui-lo tanto no Facebook quanto no Instagram) acompanho uma série de fotos que ele posta que denominou TEATRO É FODA! Nossa, como eu gosto de ver essas fotos.

Mário se dá o trabalho de postar uma foto de uma peça com a legenda TEATRO É FODA! e ainda destaca o nome da peça, quem escreveu o texto em questão, quem está na foto, quem dirigiu o espetáculo e muitas vezes até quem bateu a foto, dando crédito a todos os merecedores de tal. Como eu tenho me deliciado com esse seu catálogo de arte. Obrigada, Mário.

Então, eu não sei você, mas em geral, eu até que curto uma sexta-feira 13. Por não ser supersticiosa, não acho uma data ruim, mal assombrada nem demoníaca. Costumo, inclusive, marcar algo para fazer no bendito dia. Já fui muito ao teatro ou ao cinema, acho bem bacana encontrar com amigos em um bar ou até fazer alguma mini-festa onde só eu sou a convidada e anfitriã ao mesmo tempo. Não vai ser o caso da sexta-feira 13 desse novembro que me espera.

Por estarmos nesse ano de 2020 onde o mundo está ao contrário e todo mundo já reparou, vou deixar para fazer da minha sexta-feira 13 o dia mais banal possível. Pela primeira vez nos meus 35 outonos, estou cogitando a possibilidade de alguma coisa acontecer. Alguma coisa que possa não ser um tanto quanto agradável. Acho que vou preferir evitar tomar água para não engasgar.

Então, eu não sei você, mas em geral, eu até que curto uma sexta-feira 13 Foto: Reprodução

Juro que não sei mais o que pensar. Das coisas estranhas que estão me acontecendo e são um bocado de acontecimentos peculiares esse ano, a mais recente me aconteceu na semana passada. Saí para caminhar dentro de um condomínio fechado, contando inocentemente que nada poderia me acontecer, até que uma manga caiu no meu ombro. Isso mesmo. Ao passar debaixo da árvore, uma manga caiu em mim. E eu nem como manga! Nunca fiz mal a uma mangueira na minha vida! Decidi encurtar meu período de caminhada e fui para casa com um ombro dolorido que me durou três dias. E por conta de uma ‘mangada’! Vê se pode?!

E para você que acha que a pandemia acabou, por favor, não se engane. Use máscara sempre que sair de casa, preze pela vida do próximo, você não existe sozinho no mundo. Evite aglomerações em ambientes fechados e abertos. Lave as mãos sempre que puder. Minha família que o diga. Perdemos já familiares e amigos próximos, tivemos gente que entrou e saiu de hospital. Os hospitais estão voltando a ficar com os leitos ocupados por pacientes de Covid. Não seja um deles.

Lembre-se que estamos em ano de eleição e vote consciente. Consciente de que o candidato que merece o seu voto, o seu tempo, o seu prestígio, tem que ser um candidato que esteja defendendo os seus interesses e os do seu vizinho. Um candidato que preze pelo bem comum da nação como um todo. Alguém que pense em deixar um país melhor para gerações futuras e não só para os próprios filhos.

Durante essa pandemia, podemos ver quem preza pela saúde do país e quem embolsa dinheiro de hospital de campanha. Vote em pessoas que são a favor de quem vive, a favor de quem existe. Não deixe que seu voto seja levado por ideias inexistentes, por seres imaginários. Todo voto conta, isso inclui o seu.

Um aceso de mão efusivo e até a próxima semana.
Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para luciana.kezen@rioencena.com.

PUBLICIDADE
Scroll Up